Vai embarcar numa viagem com crianças? Evite dores de cabeça e planeje bem o passeio com essas 25 dicas essenciais.

Viagem com crianças
Viajar com crianças requer um pouco de esforço e dedicação… mas vale muito a pena!

Embarcar numa viagem com crianças é sempre uma tarefa árdua, não importa se é sua primeira viagem com seu primeiro filho ou sua quinta viagem com seu quinto filho. De como fazer a mala até como chegar ao destino, são muitos os cuidados a serem tomados.

Entretanto, existem algumas dicas que podem ajudar você a se preparar e não enlouquecer. A seguir, listamos 25 dicas de viagem com crianças – algumas para bebês, outras para crianças mais velhas, e outras para você mesmo.

1. Vá e faça!

Ainda que a ideia de viajar com crianças pareça assustadora, lembre-se sempre do mais importante: uma hora vai acabar. Você vai conseguir. Você vai sobreviver.

2. Vá com calma

Viagem com crianças

Aprendendo a curtir o momento…

Você pode estar acostumado a correr para deixar o avião e sair logo do aeroporto, usando aqueles segredinhos e atalhos de um passageiro experiente. Mas isso acabou. Sente, relaxe, deixe todos à sua volta correrem e siga com calma. Você não está mais no controle – apenas curta o momento.

3. Não exagere na mala

Lembre-se que quase tudo pode ser comprado no exterior. Pode até não ser da mesma marca, mas dá para se virar. Fraldas, por exemplo, são uma constante preocupação, já que marcas 100% ecológicas e orgânicas podem ser difíceis de encontrar. Se você está acostumado a usar uma marca eco-friendly, faça um teste como uma não-eco antes de viajar para ver se o seu pequeno tem algum tipo de reação.

4. Hotel ou aluguel de temporada?

Hotéis têm seus benefícios (serviço de quarto, refeições, serviços de baby-sitter etc.), mas com os aluguéis de temporada, você pode ter a sua própria casa nas férias – e preparar suas próprias refeições, o que pode ser útil se seu filho possuir uma dieta especial. É uma escolha pessoal, mas que vale a pena pensar com calma.

5. Reserve com cautela

Se você optar pelo hotel, faça sua reserva com calma. Você até já pode ter ficado lá e adorado, mas pense bastante antes de reservar. Havia muitos degraus ou uma subida difícil para chegar até seu quarto? O que parecia paraíso para você ou um casal, pode transformar-se em um pesadelo quando se está puxando um carrinho com um bebê.

6. Como localizar uma criança perdida

Viagem com crianças - Não é ele que está perdido, mas sim os pais dele!

Não é ele que está perdido, mas sim os pais dele!

Para os que se preocupam que o filho possa se perder, a melhor coisa a fazer é etiquetar o braço da criança com seu nome e telefone. Assim, se ele for encontrado, você poderá facilmente ser contatado. Em muitos casos, também pode valer a pena investir em um rastreador GPS – coloque-o junto ao pulso ou à mochila da criança e rastreie-o por meio de um aplicativo.

7. Piscina vs. mar

Mesmo que você planeje ficar na praia, vale a pena checar se há uma opção de piscina também. Muitas crianças adoram brincar no mar, mas outras não gostam ou não aguentam por muito tempo. Uma piscina é ideal para os pequeninos se esbaldarem e brincarem até cansar.

8. Tipo de carrinho

Eis um dilema comum de como viajar com crianças, e não há uma resposta simples. O tipo de carrinho adequado vai depender de para onde você está indo. As ruas serão planas e pavimentadas, ou haverá buracos e desvios pelo caminho? O clima será muito úmido ou mediano e agradável? Com qual tipo seu bebê está mais acostumado?

Uma opção neutra e sempre segura são os carrinhos mais leves – fáceis de carregar na viagem e que podem ser levados até o portão de embarque. Também podem ser usados como uma cama provisória para um cochilo da tarde. Você pode facilmente incluir cobertores ou uma capa para a chuva e andam bem em qualquer tipo de terreno.

9. Cadeirinha para carro?

Tem muita gente que não abre mão dela, enquanto muitos acham maluquice carregar um item tão grande para um período de tempo tão pequeno. Elas requerem um assento extra no voo e são um tanto incômodas de carregar. Por outro lado, você a terá em mãos para todo e qualquer passeio de carro. Se seus planos incluem uma viagem de carro, talvez valha investir num combo cadeirinha/carrinho, para evitar de arrastar peso em dobro.

10. A mala perfeita

Viagem com crianças

Paz e tranquilidade nos momentos certos…

Sua bolsa de fraldas vai contar como mala de mão no voo, então assegure-se de que está carregando tudo (contando com possíveis atrasos também): lenços umedecidos, chupetas, lanchinhos (de preferência sem muito açúcar, ainda que valha a pena levar umas balinhas para ajudar a aliviar a pressão na hora da decolagem ou aterrisagem), muda de roupas, sacos plásticos (para fraldas e se alguma roupa sujar muito), fones de ouvido, brinquedos, baterias extras, tablet ou DVD player, etc.

E se houver espaço sobrando nas suas coisas, adicione mais uns lencinhos umedecidos – você vai precisar.

Leia mais: Checklist de viagem – 21 dicas essenciais para todo viajante

11. As comidinhas do bebê

Diversos aeroportos permitem que leite materno e comida de bebê sejam transportados em vasilhas com mais de 100ml. Os frascos são normalmente abertos para passar pela segurança, mas isso leva apenas alguns segundos e não contamina a comida. Portanto, vale a pena checar como é o procedimento no aeroporto pelo qual você vai viajar.

12. Planeje seus voos

Tente planejar seus voos em torno da hora de dormir do seu filho. Voos noturnos podem ser mais caros, mas se você procura mais conforto e tranquilidade, uma criança que dorme durante o voo é uma bênção para todos. Se precisar fazer uma conexão, deixe bastante tempo entre os voos – ninguém merece sair correndo com crianças e bolsas por um aeroporto desconhecido.

A grande dica é tornar a viagem em si parte das férias. Permita-se algumas horas, estique as pernas, vá ao banheiro com calma, coma, converse, brinque com elas e prepare-se para o próximo voo. E não esqueça: a melhor maneira de achar as passagens aéreas baratas é reservar com 53 dias de antecedência.

13. Pesquise sobre seu destino

Para s mães que estejam amamentando, vale apena pesquisar se fazê-lo em público é algo comum no destino da viagem. Alguns países são super de boa, mas alguns exigem que você procure um lugar mais reservado para amamentar o bebê. No caso de dúvida, é sempre bom perguntar.

14. Pesquisa, pesquisa, pesquisa!

Isso vale tanto para o antes quanto para o durante da viagem. Seu bebê precisa de visto? Que vacinas você e seu filho precisam? Você deve levar remédios (como comprimidos para malária, por exemplo)? Não deixe isso tudo para a última hora.

15. Onde sentar?

Onde sentar em um avião com uma criança pequena é algo, muitas vezes, definido pelo próprio design da aeronave: algumas possuem máscaras de oxigênio extras sobre determinados assentos. Mas nem todos os aviões são assim, portanto vale checar com a companhia aérea, e pensar com calma qual o melhor assento pra você.

Sentar bem no fundo do avião geralmente significa atrapalhar o menor número de pessoas. Também garante que você levante e use a galeria, e ter o banheiro por perto. No entanto, esses assentos podem não reclinar completamente, além de ter mais barulho do que no resto da aeronave.

Viagem com crianças

Bem que podia ter um desses para os adultos também…

No meio do avião, é possível usar os assentos tipo “bulkhead”. Isso garante não só mais espaço para as pernas como mais área para brincar – e a possibilidade de adicionar um berço (se a aeronave o tiver). No entanto, esse não será o caso de espaço para guardar coisas debaixo do banco na sua frente.

Sentar na frente é parecido com sentar no fundo, com exceção da galeria, que é geralmente menor e mais movimentada. Outra coisa a ser considerada conforme a idade da criança: janela ou corredor? É melhor ficar quietinha no canto ou com mais espaço para se mover?

16. Faça uma “viagem teste”

Uma boa ideia pode ser fazer uma “viagem teste”. Os aeroportos, por exemplo, por serem muito grandes e barulhentos, podem ser um susto e incomodar algumas crianças logo de início. Portanto, deixá-la preparada para aquele ambiente pode facilitar o “dia D”. E mesmo “praticar” em um voo menor, para um local próximo e apresentá-lo àquele novo mundo em preparação a uma viagem mais longa? Vai dar para ver os tipos de problemas e preocupações do seu pequeno.

17. Vale a pena voar low cost?

Claro que é sempre tentador usar as companhias “low cost” na hora de viajar. Mas agora que se trata de uma família, vale pensar com calma: essas companhias geralmente usam aeroportos bastante distantes das cidades, o que significa um deslocamento maior até o destino final. Talvez valha pagar um pouco mais para garantir mais conforto e tranquilidade – sem contar o fato que, muitas vezes, a diferença final será mínima se contar o gasto com transporte até o centro da cidade.

18. Tempo no aeroporto – check-in online

Tente minimizar o tempo gasto em filas no aeroporto. Uma das coisas mais fáceis é fazer o check-in online – depois só é preciso despachar a mala e passar pela segurança. Em muitos casos, há um espaço para família no portão de segurança, então todos ali estarão no mesmo barco…quer dizer, avião.

19. Sem correria desnecessária

Ainda que você queira minimizar o tempo nas filas, você certamente não quer ter que correr. Deixe algumas horas de sobra – se você chegar cedo ao aeroporto, use esse tempo para brincar e dar uma leve canseira nas crianças. Afinal quanto mais energia elas gastarem, menos elas terão durante o voo.

Leia mais: Os 10 aeroportos mais legais do mundo

20. O que pode dar errado?

Antes de ir, faça uma lista de tudo que pode dar errado – de contratempos no avião a um voo perdido, e pense como você lidaria com isso. Pensar em situações antes que elas ocorram deixarão você mentalmente preparado para o caso do “vai que…”.

21. Explique a viagem

Viagem com crianças

“Mamãe, já chegou?”

Se seu filho não está acostumado a voar ou a viajar em geral, então vale a pena conversar com ele sobre isso. Explique o que e quando tudo vai acontecer – tal como ele terá que apertar o cinto de segurança e por quê. Para a maioria das crianças, voar é uma diversão, então o melhor a se fazer é criar um clima animado e de aventura para todos!

22. Planeje – mas sem excessos

Deixe seu filho entretido, mas não torne a viagem inteira como uma regimento militar. Ao invés de reservar uma dúzia de excursões, faça uma lista delas – ou acompanhe-as por meio de um app. O guia momondo places está disponível para 14 cidades (em inglês), com mais de 200 dicas, separadas por cor conforme seus gostos e interesses (família, social etc.). É tudo grátis, e conta ainda com mapas off-line para não precisar se preocupar com dados de internet no seu telefone.

23. Assistência

Confira se a sua companhia aérea oferece um serviço de assistência. Nem todas têm, mas várias delas auxiliam ao máximo na hora do embarque e na chegada. Se você estiver viajando com mais de uma criança, sozinho(a) com uma criança ou se você é marinheiro de primeira viagem, esses serviços podem ser mesmo uma mão na roda!

24. Mantenha a calma

Se seu filho escolher a pior hora do mundo para ter um ataque de gritos descomunal…respire fundo e simplesmente tente manter a calma.

25. Aproveite!

Planeje com tempo, dedique-se à mala e torne a viagem parte de sua jornada. Apenas lembre-se que tudo vai ficar bem, e que você deve também aproveitar a experiência ao máximo!

Gostou desse artigo? Continue recebendo nossos posts, dicas e e-books gratuitos!

Coloque seu e-mail abaixo e entre para nossa lista VIP!

Fique tranquilo seus dados estão 100% seguros e somos totalmente contra Spam.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta