Mais do que em uma viagem comum, fazer um intercâmbio sozinho é ainda mais recomendado. Isso porque você terá de se esforçar mais para fazer amigos de outras nacionalidades, praticar outra língua e socializar. Viajar com conhecidos é bacana também, mas se o objetivo é turbinar outro idioma, o melhor mesmo é ir sem ninguém para que o investimento dê ainda mais resultados!

Se a sua opção for colocar a mochila nas costas e o pé na estrada,  não esquente: fizemos uma lista de dicas úteis para viajantes solitários.

Europe map and airplane in cappuccino (made of cinnamon). Travel concept. Travel agency

Créditos: iStock

Mais do que em uma viagem comum, fazer um intercâmbio sozinho é ainda mais recomendado

1 – Carregue malas leves

Não é à toa que essa é a dica número 1. Estar sozinho significa também cuidar sozinho das próprias bagagens. Não é legal subir escadas, pegar metrô e ficar andando para cima  e para baixo com vários quilos nas mãos. Acredite: isso cansa fisicamente e mentalmente! Seja econômico nas roupas e criativo na hora de se vestir: sempre existe um jeitinho de fazer uma combinação diferente, variando nos acessórios, sem que seja necessário levar o armário completo. Neste caso, menos é mais!

2 – Prefira ficar em hostels

Os hostels (albergues) são a melhor opção para quem está sozinho. Neste modelo, hóspedes dividem quartos e banheiros. Por isso, a integração é necessária e natural. Certamente, você vai encontrar outros viajantes que estão na mesma situação. Alguns lugares têm espaço de integração próprio, com bares ou salas de jogos. Outros, organizam pub crawls (turismo pelos bares à noite) ou free wakling tours (guias a pé e grátis) com os hóspedes. Não hesite em participar e puxar assunto com o vizinho da cama ao lado!

3 – Tenha assistência médica internacional

Essa dica vale para qualquer tipo de viagem ou intercâmbio, estando acompanhado ou não. Mesmo que você “nunca adoeça” ou que tenha uma “saúde de ferro”, não pague para ver. Acidentes ou imprevistos acontecem com qualquer um e ter uma assistência médica num país estranho é fundamental. Durante os passeios, leve sempre com você o cartão do plano de saúde e os telefones de emergência.

4 – Use a tecnologia

Hoje em dia, um smartphone na mão fornece quase tudo o que  você precisa em uma viagem: mapas, horários, endereços, imagens, leitura, música, entretenimento, além, claro de fazer ligações! Certifique-se de que o celular esteja habilitado e funcionando bem, procure conexões wi-fi e faça dele seu melhor amigo. Outra ideia bacana é se cadastrar em redes sociais de viajantes. Mesmo se estiver em um país de primeiro mundo, fique de olho nos seus pertences e tenha cuidado com possíveis furtos, especialmente em lugares públicos.

5 – Estude o destino

Antes de viajar, informar-se é fundamental. Procure dicas em revistas, sites e blogs, como esse, que podem auxiliá-lo na escolha do destino e do roteiro. O lado bom de estar sozinho é que você pode fazer aquilo que te dá mais prazer: compras, atividades ao ar livre, visitar museus, comer em restaurantes e bares etc. Mas atenção: não é porque você está sozinho que não precisa se planejar. Faça um roteiro, mesmo que “mental”, e pesquise antes os lugares que quer conhecer. Sem planejamento é bem provável que você perca tempo e dinheiro. Ah, se você não falar a língua do país, treine antes algumas expressões básicas e tenha sempre um mini dicionário em mãos.

6 – Planeje-se financeiramente

Não que isso não seja fundamental em uma viagem qualquer, mas estando sozinho, não vai haver nenhum amigo para fazer aquele empréstimo camarada. Por isso, faça os cálculos antes e seja disciplinado no gastos: se for preciso economizar, economize. Durante o turismo, não leve todo o dinheiro com você: deixe parte dele no hostel, em um lugar seguro. Se não houver cofre disponível, separe um compartimento da mala e tranque com cadeado.

7 – Monte um ‘kit sobrevivência’

Band-aid, protetor solar, remédios básicos (dores musculares e dores de barriga, garganta, cabeça), produtos de higiene pessoal… Tudo isso faz parte do kit e economiza tempo (e dinheiro) caso sinta alguma dor ou incômodo. Em alguns países, comprar remédio, por exemplo, por mais simples que seja, só com prescrição médica. Leve também um álcool gel – pode parecer frescura, mas você vai usar banheiros públicos e, muitas vezes, pode não encontrar uma pia para lavar as mãos quando quiser. O álcool quebra o galho!

8 – Mantenha contato

Vale lembrar: não suma. Dê notícias (por SMS, internet ou telefone) com certa frequência a algum parente ou amigo que sirva de “porta-voz” da família. Além de deixar os outros despreocupados, essa é uma medida de segurança. É importante que alguém saiba onde você está, para onde pretende ir e quanto tempo vai demorar. Numa situação de emergência, essas informações fazem toda a diferença!

9 – Cresça com a experiência

Aproveite de verdade! Não é todo mundo que pode viajar e sentir essa liberdade. A solidão vai bater em certos momentos, mas quando isso acontecer, mude o foco. Viajar sozinho não é só conhecer outros lugares, mas também exercer o autoconhecimento. Aprender a se virar, a resolver problemas, a tomar decisões, a driblar os medos, a se comunicar e, principalmente, a não depender dos outros. Além do mais, antes só do que mal acompanhado, né? Viva cada segundo!

Por Bruno Passarelli, da descubraomundo.com

Você vai gostar também:

6 boas razões para viajar sozinho

Confira as 7 melhores cidades para viajar sozinho

20 melhores países para viajar sozinho

Gostou desse artigo? Continue recebendo nossos posts, dicas e e-books gratuitos!

Coloque seu e-mail abaixo e entre para nossa lista VIP!

Fique tranquilo seus dados estão 100% seguros e somos totalmente contra Spam.